Pastor Elcio Lourenço
Mensagens do Eterno para o seu coração
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


 

Sexta-feira 13 do AMOR


Certar ideias simplesmente se alojam na mente humana e não querem dali sair de forma nenhuma. Infelizmente a prioridade quase sempre é dada àquelas nada auspiciosas.


Nossa vida não é muito extensa, considerada a realidade do universo, e, provavelmente em função disso, costumamos dividi-la em parte, horas, dias, meses e anos, e tal calendário gera coincidências, tais como o dia 13 de um mês cair numa sexta feira.


Um mero fruto do acaso associa dois elementos que, juntos, são considerados negativos: o número 13 e a sexta-feira, que viraram sinônimo de azar, e tem gente que não acredita, mas no fundo pensa: “Melhor prevenir que remediar....”.


A sexta-feira 13, na verdade, não possui qualquer sentido real de influência sobre a nossa vida.


Dias são resultados de calendários montados, e nem mesmo existe uma justaposição entre os vários existentes, enquanto que números têm toda a facilidade para serem manipulados.


Mesmo os números bíblicos - que estão ligados a figuras de Deus - não se prestam a trazer preocupação ou garantias para o homem.


Hoje é uma sexta feira dia 13 de novembro, e meu conselho sobre ele é o mesmo que nos legou Davi:


Este é o dia que o Senhor fez, regozijemo-nos e alegremo-nos nele (Salmos 118:24).

Aproveite o dia 13 de novembro para dizer aquelas coisas que já deviam ter sido ditas e PERDOAR. Este será um bom motivo para uma excelente sexta.

www.pastorelcio.com


Pastor Elcio
Enviado por Pastor Elcio em 13/11/2009
Alterado em 13/11/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria do Pastor Elcio Lourenço e o site: www.pastorelcio.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários